Skip to main content

Eutanásia ainda é rejeitada pela maioria dos donos de animais

03/12/2012

Procedimentos devem ser indolores, diz Conselho de Medicina Veterinária. Sacrifício abrevia o sofrimento nos casos de problemas sérios de saúde.

Os donos de animais de estimação muitas vezes precisam optar entre sacrificar ou não o animal, quando ele está velho ou com problemas de saúde. Uma resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária determina que os procedimentos para a eutanásia sejam indolores. Ainda assim, a maioria das pessoas opta por não sacrificar os bichinhos.

“Antigamente, existia eutanásia inclusive por afogamento, existem alguns livros que relatam isso. Hoje a eutanásia é feita através de anestesia geral, então o animal entra em uma dormência, em um sono, e aí sim se faz o resto dos medicamentos para que o coração pare, ou seja, não existe sofrimento mais na eutanásia”, explicou o médico veterinário Antônio Osio Neto, que já teve que sacrificar o seu cachorro de estimação que estava com câncer nos ossos.


Em alguns casos, o sacrifício dos animais é a opção para abreviar o sofrimento, mas nem todos os donos conseguem tomar essa decisão. Em São Carlos (SP), a enfermeira Juliana Henrique, por exemplo, tem uma gata persa de 14 anos, que está internada com insuficiência renal e comprometimento de vários órgãos.

“Eu opto por não fazer e esperar até o último momento, quando não tiver mais jeito mesmo”, disse.

A pedagoga Patrícia Moreira passou por momentos difíceis quando seus cachorros Bartô, da raça Cocker, e a Poodle Lindinha ficaram doentes. A opção para acabar com a dor dos animais era a eutanásia, mas ela preferiu não fazer. “É uma decisão difícil porque exige muito da gente, então temos que ficar ali o máximo que a gente pode, mas eu e minha família toda não conseguimos fazer isso”, contou a pedagoga.

Segundo o diretor do Departamento de Defesa e Controle Animal de São Carlos (SP), Gilverson Morais, o bem estar do animal deve ser levado em conta no momento de optar pela eutanásia. “É uma decisão do médico veterinário juntamente com o proprietário do animal, que deve ser tomada com o consentimento de ambas as partes. Tem que chegar nesse consenso do que é melhor para o animal”, afirmou Morais.

Fonte: G1



Comente

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Fale Conosco

Atenção! No momento não estamos realizando resgates solicitados por e-mail ou telefone. Pedimos a gentileza de não insistirem.

Contatos


Qual é o motivo do seu contato? Veja se a sua dúvida está aqui!

Endereços e Telefones

Não divulgamos publicamente o endereço do abrigo. Lamentavelmente
o número de abandonos em nossas portas é alto.

Devido a grande demanda de visitas e ligações estamos fazendo inicialmente o contato somente por e-mail. Obrigado pela compreensão!

Colabore Conosco!

Banco do Brasil
Agência: 0104-x | Conta-corrente: 89292-0

Caixa Econômica Federal
Agência: 3044 | Operação: 013 | Conta Poupança: 17486-6

PagSeguro
Clique aqui para doar usando cartões de crédito, débito em conta ou boleto.